Siga          
Início » Ouvidoria
Ouvidoria
 
  MISSÃO/VALORES
  OBJETIVO
  REGIMENTO
   QUEM É O OUVIDOR
   CÓDIGO DE ÉTICA DO OUVIDOR/OMBUDSMAN
   DECÁLOGO DO OUVIDOR
   HORÁRIO DE ATENDIMENTO

 OUVIDORIA
  Usuário   Aluno CESUPA Professor CESUPA Funcionário Comunidade Externa
  Marque o setor ao qual você considera que está  relacionada:
Administração Superior
Banheiros
Biblioteca
Lanchonete
Coordenação dos Cursos
Depto. Financeiro
Home Page do CESUPA
Internet do CESUPA
Laboratorios Saúde
Laboratorios Informática
Outros Labs. ACET
Professores
Protocolo
PROUNI
Reprografia
Salas de Aula
Secretaria
Unidades de Serviços
Vestibular
Outros
  Assunto
  Tipo      

Tipos de Ouvidoria:

ELOGIO: Para louvar favoravelmente algo, alguém ou uma ação;
SUGESTÃO: Para insinuar ou estimular uma ação ou ideia.
RECLAMAÇÃO: Para reivindicar algo devido ou justo;
DENÚNCIA: Para apontar algo, alguém ou uma ação irregular;
INFORMAÇÃO: Para prestar ou buscar esclarecimentos sobre algo ou alguém.

Missão, Valores e Visão

Missão

Garantir que a manifestação da comunidade CESUPA sobre serviços prestados seja apreciada pela instituição e atuar no sentidode melhorar a qualidade desses serviços.

Valores

  • Ética
  • Respeito
  • Transparência
  • Imparcialidade
  • Confiabilidade
  • Sigilo

Visão

Ser agente da participação da comunidade no aprimoramento dos serviços prestados pelo CESUPA.

 

Objetivos

1. A defesa dos direitos dos estudantes, professores, servidores técnicos-administrativos e integrantes da comunidade externa em suas relações;

2. A promoção, junto às várias instâncias acadêmicas e administrativas, dos direitos de grupos vulneráveis ou discriminados;

3. O desenvolvimento, junto às várias instâncias acadêmicas e administrativas, de medidas que favoreçam a participação da comunidade interna e externa na garantia dos direitos cidadãos e na promoção da melhoria das atividades desenvolvidas pela Instituição;

4. A coleta, sistematização e divulgação de informações, inclusive através de relatórios, que contribuam para o monitoramento e aperfeiçoamento das regras e procedimentos acadêmicos, administrativos e institucionais.

Quem é o ouvidor

Profa. MSc. Andréa Cristina Marques de Araújo

Registro na ABO (Associação Brasileira de Ouvidores) nº 1084.

CERTIFICAÇÃO EM OUVIDORIA - Nº de Registro 832-1 - Associação Brasileira de Ouvidores - Secção Santa Catarina

Bacharel em Administração – UNAMA

Especialista em Sistemas de Informação - CESUPA

Mestre em Ciência da Computação - UFSC

Cursando Doutorado em Ciência da Informação - Universidade Fernando Pessoa (UFP) - Porto/Portugal

Email: ouvidoria@cesupa.br

Código de Ética do Ouvidor/Ombudsman

1. Preservar e respeitar os princípios da "Declaração Universal dos Direitos Humanos, da Constituição Federal e das Constituições Estaduais".

2. Estabelecer canais de comunicação de forma aberta, honesta e objetiva, procurando sempre facilitar e agilizar as informações.

3. Agir com transparência, integridade e respeito.

4. Atuar com agilidade e precisão.

5. Respeitar toda e qualquer pessoa, preservando sua dignidade e identidade.

6. Reconhecer a diversidade de opiniões, preservando o direito de livre expressão e julgamento de cada pessoa.

7. Exercer suas atividades com independência e autonomia.

8. Ouvir seu representado com paciência, compreensão, ausência de pré-julgamento e de todo e qualquer preconceito.

9. Resguardar o sigilo das informações.

10. Facilitar o acesso à Ouvidoria, simplificando seus procedimentos, agindo com imparcialidade e justiça.

11. Responder ao representado no menor prazo possível, com clareza e objetividade.

12. Atender com cortesia e respeito as pessoas.

13. Buscar a constante melhoria das suas práticas, utilizado eficaz e eficientemente os recursos colocados à sua disposição.

14. Atuar de modo diligente e fiel no exercício de seus deveres e responsabilidades.

15. Promover a reparação do erro cometido contra o seu representado.

16. Buscar a correção dos procedimentos errados, evitando a sua repetição, estimulando, persistentemente, a melhoria da qualidade na administração em que estiver atuando.

17. Promover a justiça e a defesa dos interesses legítimos dos cidadãos.

18. Jamais utilizar a função de Ouvidor para atividades de natureza político-partidária ou auferir vantagens pessoais e/ou econômicas.

19. Respeitar e fazer cumprir as disposições constantes no "Código de Ética", sob pena de sofrer as sanções, que poderão ser de advertência, suspensão ou expulsão dos quadros associativos, conforme a gravidade da conduta praticada, devendo a sua aplicação ser comunicada ao Órgão ou Empresa na qual o Ouvidor exerça suas atividades.

20. As sanções serão impostas pela Diretoria Executiva da ABO, ex-ofício ou mediante representação, com direito a recurso ao Conselho Deliberativo, em prazo de 15 dias após a imposição da penalidade aos membros do quadro associativo.

21. As Seções Estaduais poderão ter o seu "Código de Ética e Conduta", que deverão ser submetidos à apreciação do Conselho Deliberativo da ABO.

22. As sanções impostas pelas Seções Estaduais da ABO poderão ser objeto de recurso ao Conselho Deliberativo da ABO, no prazo de 15 dias.

23. Os procedimentos para a avaliação e aplicação das sanções serão definidos por Resolução da Diretoria Executiva.

Fonte: ABO - Associação Brasileira de Ouvidores.

Decálogo do Ouvidor    

1. Ao receber uma reclamação, evitar conclusões intuitivas e precipitadas. Conscientizar-se de que a prudência é tão necessária quanto a produção da melhor e mais inspiradora decisão. Jamais se firmar no subjetivismo e na precipitada presunção para concluir sobre fatos que são decisivos para os interesses dos indivíduos e da sociedade. Concluir pelo que é racional e consensual na prática convencional das ações de um Ouvidor.

2. Agir com modéstia e sem vaidade. Aprender a ser humilde. Controlar o afã ao vedetismo. O sucesso e a fama devem ser um processo lento e elaborado na convicção do aprimoramento e da boa conduta ética e nunca pela presença ostensiva do nome ou do retrato nas colunas dos jornais e nos vídeos das tevês. Não há nenhum demérito no fato de as atividades do Ouvidor correrem no anonimato, delas tendo conhecimento apenas a administração e as partes interessadas.

3. Manter o sigilo exigido. 0 segredo deve ser mantido na sua relativa necessidade e na sua compulsória solenidade, não obstante os fatos que demandem investigações terem vez ou outra suas repercussões sensacionalistas e dramáticas, quase ao sabor do conhecimento de todos. Nos seus transes mais graves, deve o Ouvidor manter sua discrição, sua sobriedade, evitando que suas declarações sejam transformadas em ruidosos pronunciamentos e nocivas repercussões.

4. Ter autoridade para ser acreditado. Exige-se também uma autoridade capaz de se impor ao que se afirma e conclui, fazendo calar com sua palavra as insinuações oportunistas. Tudo fazer para que seu trabalho seja respeitado pelo timbre da fidelidade a sua arte, a sua ciência e à tradição. Decidir com firmeza. A titubeação é sinal de insegurança e afasta a confiança que se deve impor em momentos tão delicados. Se uma decisão é vacilante, a arte e a ciência tornam-se fracas, temerárias e duvidosas.

5. Ser livre para agir com isenção. Concluir com acerto através da convicção, comparando os fatos entre si, relacionando-os e chegando às conclusões sempre claras e objetivas. Não permitir de forma alguma que suas crenças, ideologias e paixões venham influenciar um resultado para o qual se exige absoluta imparcialidade e isenção.

6. Não aceitar a intromissão de ninguém. Não permitir a intromissão ou a insinuação de ninguém, seja autoridade ou não, na tentativa de deformar sua conduta ou dirigir o resultado para um caminho diverso das suas legítimas e reais conclusões, para não trair o interesse da sociedade e os objetivos da justiça.

7. Ser honesto e ter vida pessoal correta. É preciso ser honesto para ser justo. Ser honesto para ser imparcial. Só a honestidade confere um cunho de respeitabilidade e confiança. Ser íntegro, probo e sensato. Ser simples e usar sempre o bom senso. A pureza da arte é como a verdade: tem horror ao artifício. Convém evitar certos hábitos, mesmo da vida íntima, pois eles podem macular a confiança de uma atividade em favor de quem irremediavelmente acredita nela.

8. Ter coragem para decidir. Coragem para afirmar. Coragem para dizer não. Coragem para concluir. Ter coragem para confessar que não sabe. Coragem para pedir orientação de alguém mais experiente. Ter a altivez de assumir a dimensão da responsabilidade dos seus atos e não deixar nunca que suas decisões tenham seu rumo torcido por interesses inconfessáveis.

9. Ser competente para ser respeitado. Manter-se permanentemente atualizado, aumentando cada dia o saber. Para isso, é preciso obstinação, devoção ao estudo continuado e dedicação apaixonada ao seu mister, pois só assim suas decisões terão a elevada consideração pelo rigor que elas são elaborados e pela verdade que elas encerram.

10. Acreditar piamente que o seu papel de representante do cidadão comum, mais do que uma procuração de fato, é um sério compromisso em busca da satisfação do reclamante, do aperfeiçoamento do fato reclamado e da otimização da qualidade da instituição em que orgulhosamente é o seu Ouvidor.

Fonte: ABO - Associação Brasileira de Ouvidores

Horário de Atendimento    

As requisições demandadas da comunidade, serão recebidas exclusivamente através de formulário eletrônico específico, disponível no site do CESUPA (RESOLUÇÃO N 12, 2010).

Para atendimentos presenciais que se fizerem necessários, após o registro via formulário eletrônico, a ouvidoria atende em sala própria na Unidade José Malcher e os horários podem ser agendados pelo telefone 8182-5640 - Profª Andréa Araújo ou pelo email ouvidoria@cesupa.br