Notícias

Feira de Tecnologia de Alimentos propõe produção regional entre alunos de Nutrição



A Feira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, evento já aguardado no curso de Nutrição, ocorreu nos dias 27 e 28 de novembro. Com quatro oficinas ministradas por professores e convidados e com uma mostra gustativa que contou com júri formado por profissionais da área e pelo público visitante, a Feira movimentou a Unidade Nazaré.  

Há 13 anos, a Feira é organizada pelos alunos do 4º período de Nutrição a partir da disciplina de Fundamentos da Tecnologia de Alimentos. Desde seu início, a Feira tem como objetivo estimular o desenvolvimento de alimentos que inovem nos materiais, técnicas e ferramentas utilizadas, buscando sempre manter o regionalismo. “Os próprios alunos, em base dos aprendizados da disciplina trazem as inovações já que eles aprendem cada etapa da produção alimentícia”, conta Daniela Gaspar, coordenadora adjunta do curso de Nutrição. “É interessante que eles tenham essa vivência, de todas as etapas. Todo o estudo do produto, criação, pesquisa de mercado e até mesmo a análise para saber se eles estão seguros. Isso deixa nossos alunos muito mais preparados para o mercado de trabalho que é uma área que está se expandindo cada vez mais”, acrescenta Daniela.

A estudante Ana Luiza Meyer conta que foi preciso muita organização, responsabilidade e liderança de todos, mas sua parte favorita de todo o processo foi a socialização e proximidade que a turma teve no final, não só entre os alunos, mas com os professores e monitores também. “É o principal evento de Nutrição, ficamos muito ansiosos em chegar no 4º semestre ter a nossa vez como organizadores. Todo o curso se volta para esse momento quando ele acontece, o que é muito legal”, divide ela, que reforça a importância da Feira na sua formação acadêmica. “Tecnologia de alimentos é o padrão de todo curso de Nutrição, mas aqui somos muito estimulados a pensar em produtos inovadores e regionais e depois aplicar isso na indústria. O meu salgadinho, por exemplo, é de fruta-pão, que é um fruto barato muito desperdiçado e desvalorizado aqui no Pará, porque não sabem como usá-lo. Então usar um fruto que é desperdiçado, barato e transformá-lo em um produto que pode comercializar e dar lucro para a empresa, isso chama atenção do empresário”, explica.

Inovação e tecnologia – A professora responsável pela disciplina, Suely Ribeiro, conta que a novidade desta edição foi a votação por meio do site VoxVote, uma plataforma livre para facilitar a interação com audiência. “Quisemos trazer a tecnologia e inovação por completo, além de facilitar muito na contagem dos votos, diferindo das edições anteriores em que os votos dos jurados e do público eram feitos em papel”.  Ao todo 15 produtos foram apresentados e três foram eleitos como ganhadores da mostra. 

Pela avaliação do júri técnico, o 1º lugar foi dividido entre o iogurte grego com calda de taperebá e o vatapá de jerimum. Já o 2º lugar foi para o biscoito sem glúten com geleia de tucupi e o 3º lugar foi para o Pãozinho Regional. Na avaliação do público visitante, o 1º lugar ficou com o vatapá de jerimum, o 2º lugar para o brownie de café com pupunha e o 3º lugar para Pãozinho Regional. 

Texto: Anaís Moraes com supervisão de Lali Mareco | Foto: Francisco de Moraes
03 de dezembro de 2019