Notícias

Círio: uma celebração contínua na história do Cesupa



No Campus Nazaré, frases que expressam sentimentos do Círio, foram distribuídas em faixas coloridas fixadas na frente do Campus.

O mês de outubro, para o paraense, é significado de celebração e devoção à Nossa Senhora de Nazaré. O Círio é uma tradição existente há mais de 200 anos em Belém do Pará. Possui o cheiro da maniçoba, sabor do tucupi e principalmente a sensação forte de fé que envolve a capital.

O Cesupa, que possui suas raízes na cidade, celebra a festividade há 30 anos, desde seu surgimento enquanto instituição. Não só: o Círio tem presença marcante na história da comunidade acadêmica. Ao longo dos anos, alunos, professores e colaboradores se envolvem nas mais diversas atividades proporcionadas neste período, sejam elas, missas em recepção à Imagem Peregrina, atendimentos aos romeiros no Campus João Paulo do Valle Mendes ou na espera pela passagem da Santa em frente ao Campus Nazaré, decorado também para o momento das procissões.

As ações do Círio mobilizam até mesmo aquelas pessoas que não são católicas, mas se sentem envolvidas no clima de celebração que toma conta da instituição nesse período. Esse é o caso da Analu, supervisora do Campus José Malcher e organizadora da varanda do Cesupa, “Não sou católica, mas o Círio vai muito além da religião. Sempre me emociono. Entrei no Cesupa em 2014 e já ali trabalhei na organização do Campus Nazaré na Trasladação e no Círio. Desde então, quando não arrumo a unidade, assisto a passagem da Santa. Oro, peço proteção e sabedoria. Sinto-me privilegiada por participar do Círio junto ao Cesupa.” declara Analu.

O ano de 2020, com a pandemia do coronavírus e a suspensão da festividade em seu modo tradicional, trouxe também uma nova forma de celebração para o Cesupa. Na já conhecida varanda do Campus Nazaré, a fachada recepciona a quem passar pela frente, com os dizeres “Vem, Mãe querida, renovar a nossa fé e nossa esperança. Feliz Círio!”, além de frases que expressam sentimentos do Círio, que foram distribuídas em faixas coloridas fixadas na frente do Campus. É um acolhimento aos passantes que também se multiplica internamente em cada um dos campi, onde uma singela decoração foi feita em torno da imagem de Nossa Senhora de Nazaré. 

Essas ações são pequenos gestos que reforçam a importância de se celebrar o Círio, ainda que de forma diferente. A pró-reitora de administração do Cesupa, Lílian Acatauassú, reforça “As emoções e alegrias do Círio serão vividas de outra forma, em oração, em família, em recolhimento, é  o que nos pede o momento. Precisamos  nos proteger e proteger as pessoas. Não haverá procissão, mas Maria caminha conosco. A festa reside no coração das pessoas”, disse a pró-reitora que também relembrou memórias de Círios anteriores: “Lembro que acompanhava a procissão, e quando a berlinda parava na frente do Cesupa, eu olhava e via toda a minha família. O meu pai acenava e Dom Vicente Zico, então arcebispo de Belém, abençoava a todos, o Cesupa, a nossa família. Uma imagem que carrego no coração. Hoje ele não está mais na sacada, fica a saudade!” declarou. 

O professor do curso de graduação e coordenador de pós-graduação de Direito no Cesupa, João Paulo Neto, ressalta como a festividade reúne pessoas do país inteiro. “Certamente o Círio é um evento que reúne pessoas das mais diversas formações, vivências e identidades, no sentido de raça, ideologia política, classe social e muitas vezes de religião também, porque o Círio não é só a maior festa católica do mundo, mas também um patrimônio cultural da cidade que reúne pessoas de diversas crenças", reforçou.

Programação de 2020 - Nesta edição, o Círio contará com uma programação inteiramente on-line para os fiéis, que podem acompanhar as transmissões das missas pelos meios de comunicação da Arquidiocese de Belém, a Rede Nazaré, pela TV Nazaré no canal 30.1, pela Rádio Nazaré 91.3 e pelo Portal Nazaré e Facebook da Fundação Nazaré. Além disso, durante o final de semana será transmitido o documentário Plácido e os melhores momentos das edições anteriores. Para saber mais sobre a programação, basta clicar aqui.

Texto: Ádria Pereira com supervisão de Lene Macedo e revisão de Adriana de Faria | Foto: Arquivo pessoal
10 de outubro de 2020